Translate this Page

Rating: 3.4/5 (974 votos)

Freestyles online

Freestyles  Online  Avarez

                      Tune In:
 
         winamp   player    quick    real
               hd
 
   app store  google play
 


DJ Dudu Gonçalves


AGRADECIMENTOS ESPECIAIS:
Rádio Top Mar, Wepa FM
Club Chaos, Conexão Natureza
Gravadora Ritmo Records, Estúdio Agura

AOS GRUPOS:
I Love Freestyle
Where 70s,80s,90,Disco,Freestyle Lives
We Support Freestyle Music Forever

AOS DJ'S:
DJ Mão Branca, Jaime França
Claudinho DJ, John D'Angelo
DJ Alex Prado, Tony Vibes,
Djlexx Sanchez, DJ Hassan,
Adrian DJ Mellowboy

AS EQUIPES:
Black Star Music, Dual Sound

AOS AMIGOS:
Rey J Perdomo, Junior Latino Freestyle Collazo,
Christine Rowe, Vivian Maria C,
Lisa Pokabeelee Thomas (Alisha), Daniel Mendoza,
Flavio Gonçalves, Abigail Casillas-Rodriguez,
Marcela Olivar, India Taina Conde Virella,
Marisol Freestyle Diva Virella, Alexis Acebo,
Ricardo Agura, Eiran Kreimer(MC Bob),
Crystal Stewart, Jill Spinard

AOS ARTISTAS:
Lisa Lisa,Judy Torres,Marla A.K.A Giggles,
David Torres of Nice & Wild,Bob"Will To Power"Rosenberg,
Joyce Sims,Aby Cruz of TKA,Johnny O A. K .A Je' Cor, Sammy C,
Shannon,Stefanie Bennett, Noel Valei A.K.A NV,
Soave,Arlene Ramirez,Xiomara Medina,Alisha A.Singer,
Rainy Davis,Just Raquela,Will Mercado,Jay Magicus,
Kim Wilde,Rene Alvarez,Amoretto Clave,Tiana Bonilla,
Wyatt Pauley of Linear,Sequal,Nyasia,Jade Starling,
Albert Cabrera of Latin-Rascals,Yuyo MC,LourdesTheVoice,
Charlie Rock, Sal Abbatielo, Angel Castillo,
Alex Zuniga A.K.A Latin Nation,DJ Tony, Rocca,
Susan Maria Gonzalez of "Company B",Salvador Medina,
Santo Orellana,Angel Rodriguez,Fareed Abdallah, Rock E.,Tony Garcia,
Johnny Aguilo,Suzi Carr,Charles Christopher,Peggy Sendars,
Ricky Vaz,Sam Morales,Ian Iyce,Wendy Scanlan,SitoFrom Pain,
Taina, Acevedo,Brenda K Starr,Freeze Gabbie Garcia,
Tony "Nu image" Garcia,Two Without Hats,Nathan Cruz,
Mickey Garcia,Scot Haslett,Pica Ortiz,Rafael Dose Vargas of 2 In A Room, ,
Elizabeth Elias ,Johnny Cantu,Mannystylezrivera,
Willie Valentin,Miles Petty,Xavier Toscano,Artie Rodriguez,
Bylli Crayone,David & Salvador Hanono of "Voice In Fashion",
Coro Jose,Elissa Musica,D.J Rio Lopez,Shock Of Brother Makes 3,
Topaz,Yahaira Solano,T.C,Troy Guy,Tonasia,Mildred Rios of Rios Sisters,
Gioia Bruno of Expose,Angelino,Paul Robb of Imformation Society,
Phillip Anthony,Angel Moreno,Boriqua Posse,Amy Tori,
Brian teglio of Pure Trend,Sammy Zone,Trinere,
Leon Sevein,Nick Colon,Carlos Berrios,Gustavo Campain,
Wickett Rich,Kerbie Afanador,JoeyTee of True Passion,
Rudy Gil of Secret Society,Debbie Deb,Joey Restivo of Linear,
Real-X,Daniel Bijan,Sharon Brown,Katia,Fadedtearsz,
Sandi Castillo-Smith of Latin-Soul,Coryne Elyse,
Elsie Facination,Bernadette Romero,Wil &More,
Angel Mercado of The cover Girls,Francisco Ramos,Ray Guell,
John"Gungie"Rivera,Christina Marie,Hector Macho Camacho,
Carlos Mojica,Cnr Trilogy,April Kelly,Jose"Clear Touch"Morales,
Alfredo Rosario" Latino Rosario Meg- Mix",
Sinoa L Demerchent of Seduction,Danny Damian,
Angel Mena,Frankie Ruiz Jr., Tony Torres,Afrika Bambaataa
,Vin Diesel,Nancy Martinez,Johnny Vega,King Sun,
Tito Puente JR.,Ty Bless,Grey Garcia,Don Omar,
Jim Jones,Daddy Yankee,Soniya Rodriguez,Wilka Claro,
Benny Boss Gonzalez,Xaviera Gold,
Tony Sunshine, Lori Spathis, Chelly Deleon,
Betty Skier of Sweet Sensation,Rico Pizarro,
Roselyn Sanchez,Mari Spanish Fly Of Sweet Sensation,
John Sanchez of Clear Touch, QuadLibet, John Manuel,
Don Omar,Actor Laz Alonso,Lottie Dah,Linda Valenti Argiento
,Stacey Parris-Carmona,Jay OneKill Shy,Maria A.Rodriguez,
Gabrielle Baechtold - Cherokee, Angel gonzales, Mark E Walker

AGRADECIMENTOS MEGA ESPECIAIS:
Aline Lopes, Layana Passos, Felipe Gonçalves

 

E a todos que fizeram e ainda fazem

a história da Freestyle Music! Freestyle Forever!!!

Um Abraço: DJ Dudu Gonçalves

 


 www.djdudugoncalves.com


 freestyle and miami bass

 



Início

 

                                                                                               

                                                 

 

                                       História do Freestyle

 


• Diante de tantos ritmos musicais que estão disseminados pelo nosso Brasil e pelo mundo, é normal confundirmos até mesmo quais são os ritmos existentes hoje. Na década de 80, surgiu nos Estados Unidos, um ritmo musical que 'lembrava' o Funk, mas que na realidade, não tinha 'quase' nada de Funk... Este ritmo estava nascendo com o nome de Freestyle! As suas músicas, assim como o próprio nome diz, representavam uma forma de estilo livre para tocar e até mesmo dançar. Empregava-se aí toda uma tecnologia "de ponta" nas músicas deste ritmo. 

• Muita gente ainda não sabe que existe este ritmo devido a vários fatores, como a falta de apoio da mídia por exemplo. Ou ainda, se sabem que existe tal gênero musical, batizam com diversos outros nomes: Ritmo Miami, Funk Melody, New Funk, etc ... No Brasil, o "sinônimo" mais utilizado seria o Funk Melody, porém, é preciso deixar bem claro que o nome OFICIAL para este ritmo seria Freestyle mesmo!!!!!

• Infelizmente, a música Freestyle sofre com discriminações devido a ser comparado com o Funk tradicional. Devido aos tradicionais bailes Funk`s espalhados pelo Brasil, há regularmente aquelas confusões criadas por pessoas que confundem diversão com ataques físicos à liberdade alheia. E sendo assim, estes conflitos terminam aparecendo nos noticiários da televisão brasileira e prejudicando, de uma certa forma, a imagem do Freestyle no país. O Funk é um ritmo mundial que conquistou multidões e merece muito respeito, entretanto, as pessoas não devem confundir um tipo de música com o outro e muito menos colocar culpa em um ritmo pelos comportamentos irracionais de certos indivíduos. A música Freestyle caracteriza-se por apresentar em suas mais diversas músicas, um tom romântico, expressando-se através de letras musicais recheadas de verdadeiros poemas sentimentais. São músicas com um som totalmente original! 


• No exterior, o Freestyle já está bem evoluído em termos de adeptos e divulgação. Os Estados Unidos, Canadá e Alemanha apreciam o Freestyle de modo bem organizado. 

• As primeiras músicas do Freestyle foram "Afrika Bambaataa" e "Don`t stop the rock", que na versão instrumental pelo álbum Furacão 2000, transformou-se num clássico para este estilo ! 

• Muitos falam que a música "Funk a little beat" de Connie é um hino do Freestyle! Pode até ser, porém, a música "Take me in your arms" com Lil Suzy, também foi um marco para o Freestyle ganhando vários prêmios internacionais! Ela foi batizada como o "Melô da Mimosa" pelo fato da voz da cantora ser um pouco 'mimosinha'... :-) E aí surgiram vários melôs da Mimosa interpretados por diversas outras cantoras.(Como Natalie "I want your love"e Shavonne "So tell me tell me"!) 

• Exemplos de cantores e cantoras do Freestyle: Diamante, Synthia Figueroa, Angelique, Stephanie Marano, Irene, Lisa Monaco, Denine, Natalie, Alisa Martinez, Michelle Diaz, Nyasia, Ray Guell, Cover Girls, Coro, Cynthia, Debbie Deb, Information Society, Jocelyn Enriquez, Johnny O, Judy Torres, Lil Suzy, Lil Johanna, Lissete Menlendez, Peter Fontaine, N.V. , Reinald-o, Samuel, Spanish Fly, Stevie B., The Voice in Fashion, TKA, Trinere, Yanda, Will To Power entre outros.

• Temos que falar também do famoso "Dr. Edit" Tony Garcia: um excelentíssimo produtor de músicas Freestyle! Ele incentivou decisivamente para uma batida típica do Freestyle! Além, é claro, de revelar talentos indiscutíveis como, Lil' Suzy, Lil' Johanna e Diamante!

• Freestyle não é simplesmente mais um estilo musical em meio de tantos outros espalhados por esse grandioso planeta... Ele é um projeto musical eficiente que veio para "ficar" e se consolidar como um dos melhores estilos musicais do mundo! Tecnologia necessária para a produção ele tem para isso ... profissionais competentes também ... e como produto final: um som invejável de batidas precisas, acompanhadas com melodias extremamente sentimentais que sempre acompanharão o ritmo do coração daquelas pessoas que reconhecem o real valor da verdadeira música em suas vidas!!!!!


MIAMI BASS


Também conhecido como som de Miami é um tipo de hip hop que se tornou popular nos EUA nos anos 80 e 90. Ele é conhecido por usar a batida continuada da caixa de ritmos Roland TR-808, batida de dança acelerada e, algumas vezes, pelo conteúdo sexualmente explícito das letras.É derivado do funke, de fato, foi a base do chamado funk carioca
NO MUNDO
EUA: Nos EUA o Electro e Miami Bass ainda podem ser ouvidos em bailes das cidades como Miami, Atlanta e Detroit.Ao contrário do que muita gente pensa, esses estilos também são tocados na Europa. Inglaterra: Na Inglaterra existem vários bailes e eventos. O estilo chegou lá logo que estourou em continente americano.Alemanha: A cena Electro/Miami Bass é fortíssima. Existem vários artistas principalmente na área de Munique. Holanda: Em Eindhovem acontece anualmente um evento chamado "Back To Planet Rock" onde só tocam os clássicos.
 


                                                       R&B Music

 

  Rhythm and Blues, normalmente abreviado R&B, é um género de música Afro-Americana popular que teve origem na década de 40.O termo era originalmente usado por produtoras para descrever gravações dirigidas predominantemente para o mercado Afro-Americano, no tempo em que o jazz com batidas pesadas e persistentes se estava a tornar mais popular. O termo, no processo, teve um número de mudanças no seu significado. No inicio da década de 50 até a actualidade, o termo Rhythm and Blues foi frequentemente aplicado a álbuns de blues. Começando na década de 50, depois de este estilo de música ter contribuído para o desenvolvimento do rock and roll, o termo R&B começou a ser usado para se referir a estilos de música que incorporavam blues eléctrico, tal como gospel e soul. Por volta da década de 70, Rhythm and Blues foi usado para encobrir géneros de música como soul e funk. Na década de 80, um novo estilo de R&B foi desenvolvido, que ficou conhecido como R&B contemporânio. Alguns dos sub-géneros conhecidos actualmente são: Smooth R&B; Soul Funk; Reggae; Ska; R&B Contemporânio.


                                                                                     Charme

 

 

   A origem deste estilo remonta uma época paralela à Soul music, nos anos 1970, cuja execução no Brasil foi realizada por DJ's como Mister Funk Santos. O charme tem mais do som da Filadélfia pelos arranjos e melodia do que propriamente do Soul, afinal, tratava-se de uma terceira vertente depois do Soul e o funk.

 

 

No final de 1976, a Soul music dava sinais de desgaste, seja pela pulverização do repertório ou pela não renovação do seu público. Outro detalhe que apressaria a morte do Soul foi o nascimento de um outro movimento entre jovens brancos da Zona Norte e Oeste do Rio – “O som das Cocotas”. Fica aqui o registro que o movimento “Black Rio” era formado por 60% de negros e pardos, 40% de brancos e mestiços pobres da periferia da cidade. O primeiro “baque” sofrido pelo movimento Soul foi, sem dúvida, a descoberta e identificação do som “pop rock” pelos frequentadores brancos da zona norte. O segundo e definitivo golpe sofrido pela agonizante Soul music foi dado pela revolução trazida pela disco music em 1977. Por ter sido um movimento mundial, a disco music mudou o comportamento, a moda e a cultura dos jovens da Zona Norte do Rio e boa parte de Brasil.

 

   O termo charme (R&B) foi criado por Corello DJ, no Rio de Janeiro, em março de 1980. O DJ Corello começou na época a fazer experiências de outras formas de black music. Ele introduz a musicalidade do charme e as pessoas começam a gostar. Ele não tinha dado um nome para essa experiência, mas observou que quem dançava tinha um movimento corporal bem diferenciado. Em um baile no Mackenzie, no bairro do Méier, o Corello convida: “Chegou a hora do charminho, transe seu corpo bem devagarinho”. Essa coisa do “charminho” ficou na cabeça das pessoas e elas passaram a falar: “agora eu vou pro charminho, vou ouvir um charme, vou lá no Corello que vai ter charme”.

 

   Em 1980 a discoteca se enfraquece como movimento de “dança coletiva”, abrindo espaço para o “pop orientado” da gravadoras multinacionais instaladas no Brasil, deixando, por assim dizer, um vácuo musical nas equipes de som do subúrbio do Rio. Corello aproveitou esse “hiato” musical e experimentou músicas e estilos não percebidos por outros DJ’s da época.

 

  charme também contou com a colaboração direta de DJ’s que abraçaram a causa e começam a romper com a estrutura antiga das equipes de som, segundo a qual, o “dono” da equipe determinava a linha musical a ser seguida sem questionamentos. O primeiro a aderir foi o DJ Marcão da Rádio Tropical do Rio de janeiro, A DJ e locutora Áurea, DJ Marlboro (em início de carreira), Fernandinho DJ, Orlando DJ, entre outros.


                                                       Disco Music


 

   Antes de entrarmos na história da Disco Music seria interessante definirmos e dizer sobre o que é que estamos falando, o que é essa tal de Disco, tão mencionada até agora. Quando falamos Disco, inúmeros significados surgem nas nossas cabeças como, por exemplo, música, dança, moda, ritmo, movimento, alegria, emoção. No âmbito musical, Disco é um imenso complexo de arranjos orquestrados formado por cornetas e cordas, bonitas melodias e batidas que são o autêntico som e sentimento das pulsações do coração humano capazes de produzir efeitos psicológicos e fisiológicos na mente e no corpo de qualquer pessoa.

 

   Para se chegar a esse som chamado Disco, passou-se por um longo processo de criação que começou no início dos anos 60, quando a música negra (blackmusic) passava por grandes modificações. A música disco, ao contrário de muitos outros estilos musicais da história, não nasceu de uma acidental produção de novos músicos ou cantores performistas de rua, mas foi uma forma artística que nasceu de um profundo entendimento da psicologia musical e do poder dos arranjos musicais elaborados por produtores, arranjadores e maestros de orquestras sinfônicas que, tomando como base a música negra que estava ganhando reconhecimento nos Estados Unidos, conseguiram definir o início da Era Disco, em 1974, em termos de música popular. As batidas ritmadas como a do coração, a percussão abundante, as vozes e arranjos vocais requintados, arranjos rítmicos de alto trompete e de corda são propriedades da música Disco que revelam o quanto a música era calculada em detalhes desde composição, arranjo, produção e mixagem até nos efeitos artísticos, filosóficos e psicológicos de cada obra.

 

 

  A maioria dos sons que compõem a música dance surgiram da fusão do Soul dos anos 60 com o Jazz Latino. Música composta por negros que, inicialmente, não obtinham sucesso devido ao preconceito da sociedade e, por isso, se mantinham apenas nos guetos escondidos. No entanto, no início dos anos 60, os negros ganharam mais espaço e tiveram mais liberdade para criar e experimentar novos sons, que mais tarde seriam usados pela disco music. Durante a metade dos anos 60 e início dos anos 70, época em que as maiores gravadoras de música negra como a Motown Group, Atlantic and Atco e Stax dominavam o cenário da música soul dance, produtores, arranjadores e maestros começaram a criar sons, que se diferenciavam pelo aumento do tempo do compasso e do uso de cordas, adicionando energia e excitação a qualquer música criada ali.

 

  Outras gravadoras seguiram o exemplo e também começaram a experimentar novos arranjos com instrumentos de sopro, flautas, trompetes e cornetas, levando a música “dance” para uma maior audiência. Assim chegou o Funk, que se caracterizava por uma batida que tinha um tempo próprio, elementos percussivos mais sofisticados e o sax, elementos que, mais tarde, seriam incorporados pela música Disco.

 

  Até aqui só temos a influência da música negra – o soul e o funk, que eram de difícil aceitação pela audiência branca. Nesse sentido, para expansão da música foi necessário um novo som que permitisse aos brancos descobrir o soul. Assim, surgiu o Jazz, que utilizando uma percussão mais latina, envolveu o soul com um sentimento mais pop e propagou a música negra no mundo. Passamos agora para os anos 70, os elementos da disco estão se juntando. Após o desenvolvimento do Soul, surgimento do Funk e o toque do Jazz, a disco music começou a se formar.

 

  Como podemos ver, é um erro de concepção comum que se faz quando dizem que a Disco Music surgiu nas boates gays da América no início dos anos 70. A música Disco, apesar de ter tido grande influência de sons desenvolvidos nas boates GLS, foi muito maior e mais complexa do que isso, mesmo porque, pelo que pudemos observar, a música Disco já era popular e circulava, já há algum tempo, por vários lugares. Também se falava que os filmes “Saturday Night Fever” e “Thank’s God It’s Friday” foram importantes pontos de virada para a chegada do movimento Disco. Para aqueles que acreditam que a Disco foi apenas a pop dance music dos Bee Gees, isso seria verdade, porém a história tratada aqui se refere ao que chamamos no geral de Disco Music.

 

Chegada da Disco:

 

  A Disco music começava a se expandir. A primeira gravadora responsável pelo movimento foi a Salsoul Records, na Filadélfia, que misturava a música latina, salsa, soul e arranjos orquestrais. Foi a Salsoul que produziu, talvez, o primeiro hit considerado Disco no mundo,  chamava-se  “The Hustle” – que chegou até as boates e fez o maior sucesso. Outras gravadoras foram de grande importância para que a música Disco ganhasse o mundo, como Gold Mind e principalmente West End Records, que pertencia a Mel Cheren, denominado o padrinho da Disco por suas idéias inovadoras que possibilitaram a criação de sons de qualidade gravados e promovidos em diversos clubes noturnos da época.

 

  A partir de então, surgiram diversos hits que não saíam das rádios e embalavam a todos nas diversas boates do mundo, movimentando um grande número de jovens que queriam sair para dançar e agitar a noite inteira. A disco ganhava espaço no cinema, assim como também na televisão. Surgiam diversos talentos como Kc & The Sunshine, Village People, Sister Sledge, Chic, Earth, Wind and Fire, Gloria Gaynor, Donna Summer e diversos outros que emplacaram grandes sucessos que são tocados até hoje. Famosas discotecas como a Studio 54 e Paradise Garage, em Nova York , despontavam empolgando multidões em uma pista iluminada por globos e luzes coloridas que ao som da Disco Music não paravam de dançar.

 

                                                     

 

topo